Parto Saúde e Bem Estar

Baby Blues: o que é e como evitá-lo após a gestação

Escrito por Equipe Fraldário

Mesmo sendo um momento de imensa expectativa e marcado por muitos bons sentimentos, a chegada de um bebê também representa uma reviravolta nos hormônios das mães, podendo, em muitos casos, gerar o chamado Baby Blues.

Trata-se de um bombardeio de emoções que acaba trazendo uma tristeza sem motivo aparente, desânimo, medo, melancolia e fortes alterações no humor.

Totalmente contraditório ao nascimento do bebê, a situação atinge cerca de 60% das mães. E os primeiros sintomas começam a aparecer logo nos cinco primeiros dias após o parto. Mas, você conhece tudo sobre Baby Blues? É o que vamos explicar neste post!

Por que acontece?

A ciência ainda não tem uma resposta segura sobre as causas do Baby Blues, mas os principais indícios recaem sobre as alterações hormonais que atingem as mulheres tanto no período de nove meses de gestação como também no momento do parto.

Dessa maneira, as modificações acabam refletindo em outras mudanças bioquímicas dentro do cérebro, causando sentimentos que lembram a depressão.

Porém, em um grau bem menos intenso, já que o agravamento do problema pode gerar a chamada depressão pós-parto. Para explicá-la melhor e as diferenças com o Baby Blues vamos a outro tópico.

Quais as diferenças entre Baby Blues e depressão pós-parto?

Apesar dos sintomas serem bem parecidos, o que muitas vezes até causa confusão no diagnóstico, o que mais diferencia o Baby Blues da depressão pós-parto é a intensidade dos sentimentos negativos e também o tempo de duração das alterações.

Enquanto o Baby Blues dura, em média, de duas a três semanas após o parto, a depressão pode se prolongar por meses e até anos se não for devidamente tratada.

Fora isso, os sintomas do Baby Blues frequentemente vão desaparecendo naturalmente. Já os da depressão se agravam se não houver um tratamento adequado.

Campanha de Doação de Fraldas

Além disso, como a depressão é uma doença psiquiátrica, ocasiona situações bem mais graves, como a vontade da mãe de se matar ou até mesmo de agredir o bebê.

O problema pode se estender por um longo período, fazendo com que a mulher perca a vontade de viver. A depressão atinge um número bem menor de mulheres, por volta de até 20% e exige um acompanhamento com um especialista, pois medicamentos podem ser necessários.

Inclusive, ao contrário do Baby Blues, os sintomas da depressão podem ser observados antes mesmo do parto. O histórico das mulheres mostra muitos indícios do problema já ao longo dos meses de gestação. E a prevenção pode acontecer por meio do auxílio médico.

Como identificar o Baby Blues?

Os principais indícios do Baby Blues são alterações no sono, irritabilidade, ansiedade intensificada, vontade de chorar sem motivo aparente, modificações no apetite e um medo constante relacionado aos desafios da maternidade.

A dica é falar dos sentimentos com familiares, amigos e até mesmo um terapeuta, pois as emoções podem ser trabalhadas por meio da expressão oral ou escrita por meio de um diário.

Muitas mulheres venceram o Baby Blues falando e escrevendo sobre as situações que passaram, ou seja, o método realmente funciona!

É preciso também manter uma dieta equilibrada e aceitar ajuda de pessoas próximas que queiram dividir as tarefas exigidas nos primeiros cuidados com o bebê.

De uma maneira geral, é possível vencer o Baby Blues, deixando a alegria do recém-nascido contagiar o seu lar, com todos os bons sentimentos que a vida pode oferecer!

Como muitas mulheres passam por essa situação, que tal compartilhar o artigo nas suas redes sociais e ajudar mais gente a conhecer sobre o Baby Blues? Afinal, a informação pode ser muito útil!